Diagnóstico, o recurso que pode salvar a vida do seu ERP

13/04/2018
Imagem retirada de http://cio.com.br/opiniao/2018/03/28/diagnostico-o-recurso-que-pode-salvar-a-vida-do-seu-erp/
Imagem retirada de http://cio.com.br/opiniao/2018/03/28/diagnostico-o-recurso-que-pode-salvar-a-vida-do-seu-erp/

Não é surpresa para qualquer empresário que ao adotar um sistema de gestão empresarial (ERP) o montante financeiro investido irá representar uma grande fatia do orçamento da companhia. Não são apenas os valores pagos pelo software, mas tudo mais necessário para a sua implementação: horas de analistas especializados, horas da sua equipe interna, melhorias de infra, como um novo servidor, banco de dados, chegando até na necessidade de troca de computadores. Enfim, adotar uma solução moderna, implica  também “modernizar a casa”.

Todo cuidado é pouco! Se não houver um planejamento adequado das ações, empenho e foco da equipe envolvida, e profissionais de fato qualificados para as atividades, a surpresa seguinte a todo o investimento pode ser bem desagradável. Assim como montar um motor, seja de uma máquina industrial poderosa ou até a de um jato supersônico, qualquer falha nesse processo pode causar prejuízos financeiros incalculáveis.

Nesse momento, o ERP deixa de ser uma ferramenta de apoio e passa a atrapalhar a organização. Problemas sérios têm início, como usuários e clientes insatisfeitos, excesso de retrabalho, informações tratadas de várias formas fora do sistema, com riscos de perda de dados importantes, não possibilitando uma visão integrada e confiável das informações, e, o que era para ser a força vital das estratégias da empresa se torna um grande problema, que precisa ser tratado urgentemente.

Quando isso acontece, erroneamente, muitos acreditam que a melhor solução é a troca do ERP, porém, antes de chegar a esse ponto caótico, há recursos que podem não só recuperar a implantação e melhorar a aderência do software, como garantir o ROI da aquisição inicial. Esse recurso que têm salvado vidas dos sistemas de gestão chama-se diagnóstico.

O principal objetivo do diagnóstico é avaliar a usabilidade do sistema nos processos da empresa:

· Todas as atividades administrativas/operacionais do negócio são processadas e controladas com apoio do ERP, de forma plena e completa? Quais processos não são?

· O número de usuários é o suficiente para suprir as demandas da empresa? Está abaixo do necessário ou tem usuários em excesso?

· A empresa conta com outros sistemas, integrados ou não ao ERP?

· Qual é a estrutura de TI na empresa e como é sua atuação?

· Quantidade de customizações/personalizações existentes e quais as principais?

Diagnóstico realizado, é possível identificar as principais lacunas e falhas do ERP em relação aos processos da empresa, oportunidades de melhorias sistêmicas, desvios de finalidades, riscos ao negócio, necessidade de treinamento dos usuários e então avaliar, com base em dados consistentes, se a solução pode de fato atender à empresa, ou se o único caminho é realmente substituir o software.

Se a recuperação for diagnosticada, o que acontece em 90% dos casos, chega a hora de iniciar o projeto de revitalização ou reimplantação do ERP. Esse processo é vital para que a gestão da empresa conte com um sistema com boa aderência, que atenda os requisitos do negócio, e esteja preparado para apoiar as estratégias e decisões de crescimento e expansão.

Mas não para por aí! O diagnóstico pode garantir também uma otimização significativa nos processos da empresa. Quase a totalidade dos software de gestão carregam melhores práticas do mercado que, se aplicadas, contribuem significativamente na evolução da empresa. Portanto, não espere mais! O diagnóstico pode salvar a vida do seu ERP.

Fonte: CIO, escrita por Alan Lopes