Produção de equipamentos de informática e eletrônicos sobe 5,1% em agosto

03/10/2018
Imagem retirada de http://teletime.com.br/01/02/2018/producao-de-equipamentos-de-informatica-eletronicos-e-oticos-cresce-acima-da-media-em-2017/
Imagem retirada de http://teletime.com.br/01/02/2018/producao-de-equipamentos-de-informatica-eletronicos-e-oticos-cresce-acima-da-media-em-2017/

A produção de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos cresceu 5,1% na passagem de julho para agosto, porém, na comparação com igual mês do ano passado, o volume de fabricação desse segmento continua negativo em 7,7%, conforme pesquisa mensal do IBGE, divulgada nesta terça-feira (2). Segundo o instituto, com esse desempenho, o setor descontou parte da queda registrada em julho, de 7,2%.

Já o recuou no índice anual foi atribuído, pelo IBGE, à redução da produção de televisores, telefones celulares, computadores pessoais portáteis (laptops, notebooks, tablets e semelhantes), rádios, monitores de vídeo, antenas, unidades centrais para supervisão e controle de automação industrial e aparelhos de comutação para telefonia.

No acumulado do ano, a fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos ficou positiva em 10,2%. Nos últimos 12 meses, a alta nesse setor é de 12,8%.

Resultado nacional
Em agosto de 2018, a produção industrial nacional variou -0,3% frente a julho, segunda taxa negativa seguida e acumulando nesse período redução de 0,4%. Vale destacar que esse comportamento de queda ocorreu após a atividade industrial recuar 10,9% em maio e crescer 12,7% em junho. No confronto com agosto de 2017, a indústria cresceu 2%, terceiro resultado positivo consecutivo, mas o menos intenso dessa sequência.

Os índices foram positivos para o acumulado do ano (2,5%) e para o acumulado nos últimos doze meses (3,1%). Mas ao passar de 3,3% em julho para 3,1% em agosto de 2018 a indústria volta a mostrar ligeira perda de ritmo, após interromper em maio último (3,0%) a trajetória ascendente iniciada em junho de 2016 (-9,7%), sustenta o IBGE.

Fonte: tele.síntese